UNAMA | Ser Educacional Unama
19 Abril
Belém
Semente do açaí como concreto permeável é objeto de pesquisas no Pará
Por Afonso Lelis

Os professores da Universidade da Amazônia (UNAMA) Mike da Silva Pereira e Emerson Cardoso Rodrigues estão desenvolvendo pesquisas junto a uma equipe de quatro alunos sobre “Concreto permeável feito com semente de açaí”, a qual poderá evitar os alagamentos recorrentes na capital paraense. Os resultados já estão sendo publicados, inclusive fora do país.

O engenheiro civil Mike da Silva Pereira explica que o concreto permeável já existe no mercado, porém, o projeto em andamento substitui o seixo pelo caroço de açaí. “O trabalho propõe a utilização do material in natura, sem custo de beneficiamento. Evitamos com que o caroço de açaí seja depositado como lixo urbano, é uma tentativa sustentável de empregar um elemento tão comum na nossa culinária, no ramo da engenharia. O caroço de açaí adicionado ao concreto torna a impermeabilidade muito maior, o que pode evitar os nossos tão conhecidos alagamentos”, explica o professor.  

 

Confira a matéria completa.

Parabéns a todos os Alunos e professores envolvidos. Isso engrandece a todos nos que fazemos parte da UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA. Que venham maiores resultados.

26 Março
Belém
Confira artigo que faz comparação entre o cérebro masculino e feminino.
Por Dirceu Costa

COMPARAÇÃO ENTRE O CÉREBRO MASCULINO E FEMININO: ANATOMIA, FISIOLOGIA E INFLUÊNCIA HORMONAL

1 JULIANE OLIVEIRA PEREIRA

2DIRCEU COSTA DOS SANTOS

Muitas pesquisas defendem a ideia de que os cérebros masculino e feminino apresentam diferenças no modo como processam informações, e os guiam a agir cada um a sua forma. Porém, pode-se afirmar de fato que o comportamento é natural de cada gênero? (VIANA, C. et al 2009)A professora Anne Fausto-Sterlling, de Biologia  e estudo de gêneros do departamento de Biologia Molecular, Celular e Bioquímica da Universidade de Brow, possui várias pesquisas em que fala sobre as diferenças anatômicas do cérebro de cada sexo. Uma das principais diferenças está na presença de um corpo caloso (estrutura que conecta os dois hemisférios cerebrais) maior nas mulheres em relação aos homens, fazendo com que elas consigam usar de melhor maneira os dois hemisférios de forma habilidosa conseguindo realizar mais de uma tarefa por vez, enquanto os homens optam por dedicar-se a apenas uma tarefa de cada vez (VIANA, C. 2013).Em um estudo feito por cientistas da Universidade de Johns Hopkins revelou que o lóbulo ínfero-parietal localizado no córtex é maior no cérebro masculino, além de possuir o lado esquerdo deste lóbulo, maior que o lado direito, revelando maior eficiência em habilidades matemáticas, inclusive esta mesma área já havia sido revelada maior no cérebro de Albert Einstein. Enquanto isso nas mulheres ocorre o oposto, o lado direito apresenta-se maior que o esquerdo (SABBATINI, R. 2000).As áreas relacionadas a linguagem e comunicação possuem um tamanho entre 18% e 20% maior nas mulheres além da capacidade de processar informações nos hemisférios esquerdo e direito de forma simultânea. As mulheres também possuem maior densidade de neurônios na área do córtex do lobo temporal em associação com o processamento da linguagem, possuindo mais êxito em  profissões com grande demanda de comunicação e interação social. (Vieira, A. et al 2010).As diferenças entre os cérebros estão presentes desde a formação no útero: o masculino na presença de andrógenos e o feminino na presença de estrógenos. Homens e mulheres tendem a reagirem de formas diferentes também sob estresse, nas mulheres o estrogênio potencializa a oxitocina resultando em mais calma e capacidade de controle, nos homens a testosterona inibe a oxitocina resultando em agressividade e competitividade (Collaer, M.L. et al, 1995).Os ovários são considerados responsáveis pelas desordens físicas e mentais femininas, dadas as circunstancias como tensão pré-menstrual, menopausa, insuficiência ovariana, e outras, pois as secreções ovarianas em ordem são indispensáveis para o equilíbrio hormonal da mulher proporcionar qualidade física e mental à ela. Na maioria dos casos, essas desordens mentais referem-se a depressão (Rohden, F. 2008).Pesquisas epidemiológicas da Organização Mundial de Saúde mostram que as mulheres são duas vezes mais susceptíveis a depressão  do que os homens, independente do lugar ou cultura, e apresentam também sintomas mais graves e mais chances de suicídio, enquanto os homens depressivos possuem maiores chances de procurar consolo em álcool e drogas (Baptista, M.N, 1999).Apesar de todas as diferenças já conhecidas é preciso também estudar as relações sociais e até que ponto a cultura e crenças antigas são capazes de influenciar as habilidades e o comportamento feminino e masculino, pois alguns autores fazem especulações de que de que os antigos costumes da divisão de papéis dos sexos na sociedade determinaram diferenças ao longo da história (Poeschi, G. et al, 2003).

REFERÊNCIAS

VIANA, C; FINCO, D. Meninos e meninas na Eduação Infantil: ma questão de gêneo e poder. Disponíel. Acesso em: 15 mar.2018.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. Acesso em: 15 mar.2018.

SABBATINI, R. Existem diferenças cerebrais entre os homens e as mulheres? Acesso em 17 mar.2018.

VIEIRA, A; MOREIRA, J; MORGADINHO, R. Inteligência emocional: cérebro masculino versus cérebro feminino. Acesso em: 17 mar.2018.

Collaer, M.L; Hines, MDiferenças entre os sexos no comportamento humano: um papel para os hormônios gonadais durante o desenvolvimento inicial? Boletim Psicológico, vol.118, n.1,  julho de 1995.

ROHDEN, F. O império dos hormônios e a construção da diferença entre os sexos. Acesso em: 17 mar.2018.

BAPTISTA, M; BAPTISTA, A; OLIVEIRA, M. Depressão e gênero: por que as mulheres deprimem mais que os homens?                 Temas em psicologia, vol.7, n.2, 1999.

POESCHI, G; MÚRIAS, C; RIBEIRO, R. As diferenças entre os sexos: Mito ou realidade? Análise psicológica, vol.21, n.2, 2003.

 

 

 

23 Março
Belém
Alunos de Engenharia de Produção aprovam artigo em 1º lugar no SEPRONE
Por Tiago Miranda

Os alunos de Engenharia de Produção do 7º semestre do curso, Andreza Gonçalves, Alexandro Osório, Carlos Augusto Luz e Leyliane Pinheiro, orientados pela professora  Eliete Barroso, aprovaram o artigo "Implantação de ferramentas da qualidade no processo produtivo do tucupí e subprodutos" no IX Simpósio de Engenharia de Produção da Região Nordeste (SEPRONe) e VIII Simpósio de Engenharia de Produção do Vale do São Francisco (SEPVASF). O evento ocorreu de 7 a 9 de março de 2018 em Juazeiro, na Bahia, sendo apresentado no local do evento pela aluna Andreza Gonçalves. Este artigo foi considerado o melhor do simpósito obtendo assim o 1º lugar.  

Confira a galeria abaixo:

22 Março
Belém
Identificação humana por análise de DNA
Por Dirceu Costa

 

Muitos acadêmicos de Biomedicina sonham em trabalhar com análises genéticas. Sabe-se que indivíduos da mesma espécie, seja esta elefantes africanos, milho ou seres humanos, têm o DNA praticamente idêntico. Mas a sequência do DNA em certos locais, conhecidas como LOCI, varia nos genomas individuais. Esta variação pode ser utilizada para distinguir um indivíduo de outro da mesma espécie. O processo de análise destas variações com o propósito de identificar indivíduos é conhecido como PERFIL DE DNA ou FINGERPRINTING GENÉTICO (impressão genética). A impressão genética faz uso de sequências repetitivas altamente variáveis, chamadas STRs (short tandem repeats). Estes loci são altamente similares entre humanos muito relacionados, mas variáveis o suficiente para que seja extremamente pouco comum que humanos não aparentados tenham os mesmos alelos.

As técnicas de identificação humana por DNA vêm sendo utilizada com diversos objetivos, incluindo as ciências forenses (comparar o DNA encontrado em cenas de crime contra o de suspeitos, ou identificações de vítimas de catástrofes), testes de paternidade, investigações históricas, elucidação de desaparecimentos e ainda na criação de bancos de dados de criminosos sexuais. 

Aprofunde suas pesquisa e fique por dentro.

 

12 Março
Belém
Disciplina de Tópicos Integradores rende artigo informativo
Por Dirceu Costa

A partir do estímulo à produção científica, discentes do Curso de Biomedicina produziram um artigo sobre implicações de procedimentos estéticos (Arquivo em anexo) cometidos por profissionais não capacitados. O artigo destaca a importância da capacitação e habilitação dentro da biomedicina estética o risco que a população corre quando busca atendimento não especializado. 

 

Confira!

Anexo: 
09 Março
Belém
Dia Internacional da Mulher: mulheres conquistaram seu espaço na Odontologia brasileira
Por Theodorico Neto

O Dia Internacional da Mulher é celebrado em 8 de março no Brasil e em dezenas de países. O objetivo da data, estabelecida pelas Nações Unidas em 1977, é comemorar as conquistas do sexo feminino e chamar a atenção para a discriminação contra a mulher em todos os setores, inclusive no mercado de trabalho.

A evolução da participação das mulheres na Odontologia brasileira serve como ilustração para o avanço da presença feminina no mercado de trabalho no país. A Odontologia já foi uma profissão majoritariamente masculina. Entre os inscritos no CFO, há um predomínio de homens nas faixas de idade a partir de 61 anos. De 60 anos para baixo, predominam as mulheres e de forma crescente. Ou seja, a cada década, aumenta a proporção de mulheres inscritas no Conselho Federal.

 

Confira a matéria completa.

06 Março
Belém
Novo Código de Ética Odontológica deve ser publicado em 2018
Por Theodorico Neto

A atualização do Código de Ética Odontológica deve estar concluída e publicada até o primeiro semestre de 2018. A previsão foi feita pelo presidente da Comissão Especial encarregada de sistematizar as propostas dos Conselhos Regionais de Odontologia, Luiz Evaristo Ricci Volpato (CRO-MT), em 7 de novembro, último dia da Assembleia Conjunta do Conselho Federal de Odontologia com os presidentes dos CROs, em Brasília.

As reuniões regionais para a revisão do atual Código, em vigor desde 2012, começaram no ano passado, segundo Volpato. O passo seguinte foi o envio das propostas à Comissão Especial do CFO no primeiro semestre deste ano. Volpato lembrou que elas foram consolidadas em um documento apresentado em julho, na primeira Assembleia Conjunta do CFO com os presidentes dos CROs.

 

Confira a matéria completa.

06 Março
Belém
Quem cuida melhor da saúde bucal?
Por Theodorico Neto

Eles cuidam menos dos dentes, mas elas são as que mais sofrem com problemas dentais. Durante anos, especialistas de diferentes países analisaram os hábitos de higiene bucal de homens e mulheres e concluíram que existe este paradoxo quando o assunto é saúde bucal entre sexos. 

A explicação para o fenômeno se deve principalmente pelas grandes oscilações hormonais que as mulheres sofrem ao longo da vida, como o período de menstruação e da menopausa. Além disso, durante a gestação, a mulher fica mais suscetível a outras doenças bucais pelo aumento da progesterona, como a gengivite e o granuloma.

Confira a matéria completa.

12 Janeiro
Pará
Jurista e Professor do ICJ fala sobre "namoro qualificado."
Por Amadeu Vidonho

JÁ SEI NAMORAR...?

Leonardo Amaral Pinheiro da Silva 

Advogado, Presidente do IBDFAM/PA – Instituto de Direito de Família (Seção do Pará) e Professor Titular I de Direito Civil da UNAMA – Universidade da Amazônia.

Parodiando o tema da música dos Tribalistas, assim como considerando notadamente o surgimento e o avanço do chamado namoro qualificado, será que sabemos, hoje, o que é namorar?       Isso decorre porque uma das grandes discussões do Direito de Família moderno é saber se determinada relação afetiva é um namoro ou união estável. Com os novos costumes e a mais ampla liberdade sexual, essa linha tênue tornou-se importante para a definição de cada um. Tudo isso aliado ao fato de que na maioria dos processos levados aos tribunais brasileiros, o cerne do problema decorre da dificuldade em se diferenciar o que seria namoro, e o que seria união estável. Para melhor entendermos as duas situações, passamos a conceituar, modernamente, cada um dos institutos, explicando a diferença entre eles. 

União estável: configurada na convivência pública de 02 (duas) pessoas, contínua e duradoura e estabelecida com o fim de constituição de família, IMEDIATA; objetivamente: uma relação afetiva pública (não clandestina), notória, cuja convivência tenha que ser contínua, sem términos ou “tempos”, estável, duradoura e perpetrada no tempo, já que não há prazo (o que pretendemos mudar), mas, com algum tempo de convivência para que se estabeleça, já que o que se espera ser duradouro não pode jamais ser breve ou transitório; uma comunhão de vida em que os conviventes vivam como se cônjuges fossem, porém, sendo prescindível que seja sob o mesmo teto; subjetivamente: a intenção, de IMEDIATO, de constituição de uma família, a postura de assumir um verdadeiro e firme compromisso, com direitos e deveres pessoais e patrimoniais semelhantes aos do casamento. 

Namoro qualificado: convivência íntima - sexual – de 02 (duas) pessoas podendo ou não haver coabitação, em que os namorados frequentam as respectivas casas, a eventos sociais, viajam – passam férias – juntos, comportam-se no meio social ou profissional como se encontrando num relacionamento amoroso; objetivamente: assemelha-se muito a uma união estável, mas falta um elemento inarredável, que adentra no critério subjetivo - a constituição imediata como entidade familiar; subjetivamente: a ausência da vontade de constituição imediata de uma entidade familiar; mesmo que o namoro seja longo, consolidado, daí a nomenclatura “namoro qualificado", não há nos namorados o desejo imediato de constituir uma família, ainda que se cogite futuramente, mas não o é no momento; por esta razão não há de se falar em direitos e deveres jurídicos, notadamente de ordem patrimonial entre os namorados, portanto não se cogitando em falar de regime de bens, alimentos, pensão, partilhas, direitos sucessórios e outros direitos.

Diferenças básicas entre eles: 

· No namoro qualificado, há a inexistência de repercussão patrimonial; na união estável, não, prevalecendo, na ausência de um contrato escrito – conforme determina o art. 1.725 do Código Civil –, o regime da comunhão parcial de bens, à luz e semelhança do casamento;

· No namoro qualificado, não há entidade familiar; na união estável, há a existência imediata de uma entidade familiar.

 Feita estas considerações, voltamos ao questionamento inicial: será que sabemos, hoje, o que é, efetivamente, namorar?   

 Fica a dica.

*Artigo cedido pelo autor.

14 Dezembro
Belém
Artigo: dualidade partícula-onda enquanto fenômeno intrínseco à natureza das entidades radiológicas
Por Dirceu Costa

A qualidade de imagens radiológicas não pode ser determinada utilizando-se critérios subjetivos ou pessoais. Para isto, é necessário utilizar-se de parâmetros que quantifiquem as características das imagens, de modo que estas possam ser avaliadas com critérios objetivos. Por exemplo, a resolução espaço-temporal, o contraste e o ruído são parâmetros normalmente utilizados na medida da qualidade de uma imagem radiológica (Luz & Hoff, 2010). Nesse contexto, O Prof. Dr. Claudio Eduardo Corrêa Teixeira, conduz uma rica discussão a respeito de padrões de interferência, juntamente com alunos egressos do Curso de Tecnologia em Radiologia da UNAMA. (Artigo em anexo)
 

Anexo: 

Páginas