UNAMA | Ser Educacional Unama
01 Novembro
Belém
III Encontro de Doenças Infecciosas e Parasitárias na Amazônia
Por Jurupytan Viana

Vem aí o III Encontro de Doenças Infecciosas e Parasitárias na Amazônia! 

 
O evento ocorrerá nos dias 11, 12 e 13 de Novembro e terá palestras voltadas para todas as áreas: Pequenos, Grandes e Silvestres, além de minicursos maravilhosos.
 
Contamos com a sua presença! Será um evento incrível!
 
Inscrições no Instagram da liga @lavesp.unama

01 Dezembro
Ananindeua
Oficina Biodiversidade Comestível da Amazônia - BICA
Por Juliana Alves

BIodiversidade Comestível da Amazônia - BICA

Reconhecer, Semear, Coletar e Nutrir-se de Plantas da Amazônia de forma natural, orgânica, saudável e sustentável é uma alternativa pelo “Bem Viver” em área urbana a partir da conexão entre a horta de quintal e a cozinha, principalmente neste momento de isolamento em função da crise sanitária do CORONAVÍRUS. Nós, do Toró Gastronomia Sustentável tomamos a iniciativa em parceria com o Espaço Cultural Valmir Bispo Santos de desenvolver um novo projeto intitulado por BIodiversidade Comestível da Amazônia - BICA cujo proposito é fortalecer a herança biocultural amazônica a partir do consumo de plantas comestíveis além de incentivar o cultivo das mesmas em pequenos espaços. “Bica” cujo significado é - “lugar por onde se escorre continuamente água doce e em temperatura ambiente, própria para o seu consumo - um bebedouro natural” e que se aplica perfeitamente nas ações do Toró ao contextualizar que Água é Vida  Água gera Alimento  Alimento é Vida. Então, que nesta BICA jorre um Toró de BIodiversidade Comestível da Amazônia. E, nada melhor que este projeto seja lançado na presença da médica pediatra, nutróloga e pesquisadora de alimentos regionalizados Dra. Clara TerkoTakaki Brandão, aposentada do Ministério da Saúde/DF e idealizadora da Multimistura (http://multimistura.org.br/).

A Multimistura é um complemento alimentar concentrado em vitaminas e minerais, tais como: Vitaminas A, B1, B2, C, Cálcio, Ferro, Zinco e Proteínas que em doses mínimas diárias combateu a subnutrição de crianças na região Amazônica, ou seja, uma alimentação saudável e sustentável para os povos Amazônicos que surgiu em importante trabalho iniciado na década de 1980, em Santarém-Pará e que foi adotada pela Pastoral da Criança. E sabe o que tem no composto? Folha da Mandioca, a conhecida maniva além do farelo de arroz e gergelim. Dra Clara é uma incentivadora pelo consumo de alimentos regionalizados de produção local. Vamos te antecipar e te dizer o que já estamos cultivando na “BICA”, temos: taioba, capeba, nira, capim limão, orelha de macaco, hortelã, e ervas e temperos em geral como alfavaca, chicória, cebolinha, manjericão, alecrim, catinga de mulata etc. O Propósito deste encontro é que possamos reconhecer estas plantas, semear algumas sementes e realizar uma conversa sobre a importância delas na alimentação cotidiana garantindo assim a segurança e soberania alimentar usando-as como um instrumento de fortalecimento biocultural Amazônico.

Se você tiver uma mudinha que queira compartilhar conosco, traga! Será um momento de socialização e aprendizado!

INFORMAÇÕES Dia: 3 de Dezembro de 2020

Hora: das 9 as 11 horas Local: ESPAÇO CULTURAL VALMIR BISPO SANTOS

Endereço: Trav. Padre Prudêncio, 681, entre Carlos Gomes e Gama Abreu, px. Igreja da Trindade e OAB. CAMPINA O Investimento/taxa inclui degustação preparada pelo chef Wagner Vieira. Público da Oficina Inscrito: Antropólogos, Sociólogo, Professor da área da Gastronomia, Cozinheiro, Psicólogos, Agrônomos, Gestor e Consultor Organizacional. Obs. Serão poucas pessoas em razão da necessidade do distanciamento social. É indispensável que todos compareçam com seus equipamentos de proteção individual, ex. mascara. Esta atividade é uma parceria com a Escola de Formação para Jovens Agricultores de Comunidades Amazônicas - ECRAMA e Rede Bragantina de Economia Solidaria Artes & Sabores como parte do Seminário Itinerante: Soberania, Segurança Alimentar e Nutricional: cuidados e cooperação para o Bem Viver e Vida em Abundância que ocorre entre os dias 30.11 a 09.12.2020. 

Contato: 98748-1094 (Toró Gastronomia)

12 Novembro
Belém
1ª Ação do Projeto de Extensão "Pegadas de um biólogo na Amazônia"
Por Luis Cardoso

O nome "PEGADAS" foi concebido a partir da reflexão sobre as marcas que nós seres humanos estamos deixando como registro de nossa passagem no planeta. A importância dessa reflexão gira em torno do tipo de marcas/registros que queremos deixar para as próximas gerações e como isso poderá impactá-las. 
 
É alarmante a forma imediatista de lidar com o "lixo" em nossa cidade e, na verdade, a falta de manejo quando entendemos que conceitualmente, o termo resíduo se refere a tudo que é gerado pelo ser humano e tem a possibiliadade de aproveitamento. Essa falta de entendimento se reflete na forma equivocada que lidamos com estes materiais. 
 
Essa falta de compreensão, nos leva à duas problemáticas principais: 1. a falta de responsabilização diante do que é consumido e indevidamente descartado; 2. a omissão diante da falta de políticas públicas que também valorizem o princípio básico de um resíduo, que é o reaproveitamento.
 
Integrar a ação aos esportes aquáticos foi pensado como forma de também sinalizar para as potencialidades que nossos rios possuem quando saudáveis, construindo um grande esforço que ainda é necessário para utilização dos nossos recursos naturais de forma sustentável.
 
A 1ª ação do Projeto "Pegadas de um Biólogo na Amazônia", relacionada à responsabilidade socioambiental, sendo coordenado pela Profª Drª Ana Carla Feio, do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade da Amazônia, em parceria com “Amazon Kite e SUP” e “Caruanasvaa”.
 
A ação foi organizada em dois momentos importantes, no dia 25/09 (8h-12h) foi realizada a coleta ativa no Rio Maguari (Marina Canto da Ilha), utilizando a prática de stand up paddle e canoagem em canoas havaianas. Já no dia 26/09 (8h-12h) o foco foi a coleta no Rio Guamá, Complexo Ver-o-rio, contudo, a ação de coleta de resíduos também será estendida à "prainha", local em que a problemática é mais visível, devido à recreação local na Orla da Capital, gerando um impacto visual dos resultados da ação e com isso a reflexão também dos espectadores.
 
Participaram cerca de 28 alunos entre os cursos de Ciências Biológicas e Engenharia Sanitária e Ambiental, professores e coordenadores de curso e do programa pibic/unama/ser educacional (no qual o projeto foi aprovado no último edital com bolsista e voluntários).
 
Veja a FOTOS DOS MELHOR MOMENTOS em nossa GALERIA.

 

02 Abril
Belém
Alunos assistem palestra sobre Jornalismo Ambiental na Amazônia
Por Hellen Maria

Na manhã da última sexta-feira, 23 de março, Eduardo Pegurier, editor-executivo da Organização não Governamental (ONG) O Eco e professor da PUC-RIO, marcou presença no auditório David Mufarreji para falar sobre jornalismo ambiental na Amazônia.

 Durante a palestra, o editor explicou sobre a dedicação à produção de conteúdo jornalístico relacionado ao meio ambiente. “O jornalista ambiental tem que procurar conectar o leitor ou o espectador com o problema”, alerta Eduardo Pegurier.

“O jornalista ambiental tem que procurar conectar o leitor ou o espectador com o problema”

Além de promover o debate sobre os caminhos do jornalismo ambiental e a importância dele, o documentário “Sob a Pata do Boi” foi exibido com exclusividade. A produção feita pela equipe jornalística da ONG entre 2016 e 2017 mostra uma visão diferente da cultura no Pará, com foco na cultura agropecuária do Sul e Suldeste do Estado e com foco na questão do desmatamento ilegal.

 A professora Ivana Oliveira, do curso de Comunicação Social na UNAMA, participou do evento e compartilha a importância de tratar sobre o desmatamento no espaço acadêmico. “Fico muito feliz que a Universidade tenha trazido esse tema e não só para alunos de jornalismo, mas para todos os alunos que possam perceber a importância do tema não nacional, mas um tema com importância mundial”, afirma a professora.

 A estudante Jaqueline Lopes, do sétimo semestre de jornalismo, também participou ativamente da palestra e fala que foi uma experiência importante para a trajetória que pretende seguir nesse meio. “Essa palestra me fez ver o jornalismo com outros olhos, cria uma perspectiva que eu já queria há muito tempo seguir no jornalismo, que é o jornalismo ambiental”, diz Jaqueline.

“Fico muito feliz que a Universidade tenha trazido esse tema e não só para alunos de jornalismo, mas para todos os alunos que possam perceber a importância do tema não nacional, mas um tema com importância mundial”


Quer participar de palestras e outros eventos na UNAMA? Confira a grade no site

 

 

Texto: Gabriella Salame

Fotos: Rodrigo Pinheiro