UNAMA | Ser Educacional Unama
06 Maio
Belém
UNAMA realiza palestra em comemoração ao Dia da Matemática
Por Igor Charles

Em homenagem ao Dia da Matemática, que se comemora no dia 06 de maio, a coordenação do curso de Matemática da UNAMA - Universidade da Amazônia, campus Alcindo Cacela, promoverá a palestra “A vida e obra de John Napier”, em alusão ao aniversário de 400 anos de sua morte, ministrada pelo professor Ms. Benedito Fialho.

No evento serão abordadas suas obras na matemática, apresentando os dispositivos de cálculos criados por ele em seu livro Rabdologia (1617). Foram eles: Barras de Napier, Prontuário de Napier e Ábaco de Napier (Aritmética de Localização). Estes instrumentos serão apresentados em formato digital e de forma concreta, por meio de dispositivos criados a partir do seu livro. Serão  mostrados o funcionamento destes dispositivos para fazer cálculos de adição, subtração, divisão e multiplicação (este último foi a ênfase de Napier), e ainda cálculo de raiz quadrada.

O encontro ainda irá contar com a apresentação do Show Matemágico, com mágicas baseadas em fundamentos matemáticos, em que serão utilizados diversos dispositivos criados pela coordenação do curso de Matemática para realização dos truques. O show já foi apresentado anteriormente em diversas escolas públicas e eventos educacionais, contando com a excelente aceitação de professores, alunos e público em geral.

O professor Ms. Benedito Fialho levará materiais didáticos para venda.

SERVIÇO

Palestra "A vida e obra de John Napier”

Local:Auditório B100

Horário: 18h50

Público alvo: alunos do curso de Matemática

05 Maio
Belém
Para celebrar o Dia da Matemática, conheça um enigma de Malba Taham
Por Igor Charles

 Separada para homenagear os profissionais de Matemática, esta data passou a ser reconhecida oficialmente a partir de 2013. Data de aniversáriode Júlio Cesar de Mello e Souza, professor de Matemática nascido em 06 de maio de 1895, no Rio de Janeiro. Mais conhecido como Malba Taham e entre os seus quase 70 livros, o mais famoso é O Homem que Calculava.

Uma dos enigmas deste livro é muito interessante e até hoje intriga muita gente, inclusive em rodas de amigos. Veja o enigma da falta de um dinar e veja se você consegue resolver.

"- E voltando-se para o dono da hospedaria, perguntou em tom de muita camaradagem:

- Quanto gastamos aqui nesta mesa, ó Tripolitano?

Respondeu o interpelado:

- A despesa total, com a refeição, foi de trinta dinares! O cheique Nasair declarou que queria pagar sozinho. Os damascenos não concordaram. Estabeleceu-se pequena discussão, troca de gentilezas, durante a qual todos falavam e protestavam ao mesmo tempo. Afinal ficou resolvido que o cheique Nasair tendo sido convidado para a reunião, não deveria contribuir para a despesa. E cada um dos damascenos pagou dez dinares. A quantia total de 30 dinares foi entregue a um escravo sudanês e levada ao Tripolitano.

Momentos depois escravo voltou para a mesa com um recado do Tripolitano.

- O patrão enganou-se. A despesa foi apenas de 25 dinares. Ele mandou, pois, devolver estes cinco dinares!

- Esse Tripolitano – observou o cheique Nasair – tem a preocupação de ser honesto. E muito honesto. E tomando as cinco moedas que haviam sido devolvidas, deu uma a cada um dos damascenos, e, assim das cinco moedas, sobraram duas. Depois de consultar com um olhar os damascenos, o cheique deu de presente as duas moedas restantes ao escravo sudanês que os havia servido.

Nesse momento, o jovem da esmeralda levantou-se, e, dirigindo-se muito sério aos amigos, assim falou:

- Com esse caso do pagamento dos trinta dinares de despesa, ao Tripolitano surgiu uma trapalhada muito grande.

- Trapalhada? – estranhou o cheique. – Não percebo complicação alguma!...

- Sim – confirmou o damasceno. – Uma trapalhada muito séria, ou um problema que parece absurdo. Desapareceu um dinar! Vejam bem. Cada um de nós pagou 10 dinares e recebeu um dinar de volta. Logo, cada um de nós pagou, na verdade, 9 dinares. Somos três. É claro que o total pago foi de 27 dinares; somando-se esses 27 dinares com os dois dinares dados pelo cheique ao escravo sudanês, obtemos 29 dinares. Dos 30 que foram entregues ao Tripolitano, só 29 apareceram. Onde se encontra o outro dinar? Como desapareceu? Que mistério é esse?